Patagônia – Torres del Paine

Galera que me acompanha no Instagram, sabe que estive recentemente na Patagônia! Gente me apaixonei por esse lugar, era meu sonho conhecer e me encantei demais! Viajei com duas amigas que foram ótimas cias de Trip.  Vou separar o roteiro por dias e no final dou as dicas de hospedagem e restaurantes. Qualquer dúvida deixem nos comentários ok?

Vou separar por cidades para não ficar tão longo e cansativo. Essa primeira parte é de Torres del Paine! Em seguida temos El Chalten, El Calafate e por fim Ushuaia. Depois pretendo fazer um post contando o que levar na mala e um roteirinho de Buenos Aires 😉

Dia 1: Vôo Rio- El calafate
Voamos pelas Aerolineas Argentinas, na hora de comprar as passagens ficamos muito tensas pois todos criticavam muito essa cia, mas não tivemos nenhum problema, nenhum atraso, aviões novos, bom serviço, nada a reclamar!

Saímos as 02:40 do Rio, fizemos escala em Buenos Aires e às 11:15 já estávamos em El calafate. O transfer para cidade custa 100 pesos por pessoa, ou o táxi que custa 300 pesos a ida e 200 a volta.

Aproveitamos a tarde para passear pela cidade e alugar o carro. Alugamos na Nunatak, que era a mais barata e ainda sim pagamos bem caro: 800 pesos por dia (cerca de R$230) com um limite de 200 km por dia numa Uno Mile. O carro era bem simples mas foi super valente! SUPER IMPORTANTE: Nem todos os carros tem autorização para cruzar a fronteira, e é preciso pagar uma taxa para tal (pagamos 600 pesos), portanto se pretenderem cruzar a fronteira é bom verificar.

Conhecemos também a laguna Nimez (Reserva Ecológica Municipal). A entrada custa 100 pesos. Lá se faz uma caminhada de aproximadamente 1 km que é bem tranquila, vimos muitos pássaros (flamingos, patos, etc) e um lobinho (zorro colorado). E também tem uma linda vista para o Lago Argentino. Não é imperdível mas vale a pena se tiver com tempo livre! J Dá para ir a pé do centro da cidade, é bem pertinho (15 min caminhando).

Dia 2: El Calafate – Torres del Paine
Acordamos cedo e fomos com nossa Uninho em direção ao Parque Torres del Paine. Para cruzar a fronteira com o Chile é importante não levar nenhum alimento fresco, eles olham tudo! E para dirigir nas estradas argentinas e chilenas é obrigatório usar o farol. Além disso, todo cuidado com o vento se faz necessário, os ventos são tão fortes que podem levar a porta dos veículos se abertas contra o vento.

Almoçamos na fronteira (Cerro Castillo), logo após a mesma existe um café (Cafeteria Ovejero) onde é possível trocar o dinheiro para pesos chilenos e almoçar, comemos um salmão que estava muito gostoso.

É muito importante abastecer em La Esperanza antes de seguir viagem, mesmo enchendo o tanque tivemos que abastecer em Torres del Paine para retornar e pagamos a bagatela de 4 DOLARES por litro, isso mesmo quase 15 reais…

A entrada do parque custa 18.000 pesos chilenos por três dias o que equivale a aproximadamente 75 reais. Na portaria, se você pedir eles carimbam o seu passaporte com o selo “Torres del Paine”. O parque é lindo gente, vontade de parar a cada 5 minutos para tirar fotos, são lagos multicoloridos e um cerro de tirar o fôlego! Os lugares que passamos neste primeiro dia foram: Lago Sarmiento, Laguna Amarga, Mirador del Nordenskjöld, Lagunas Mellizas, Pudeto, Salto Grande), Hostería Pehoé, Hotel Explora, Administração do Parque e Portería Serrano. Vimos muitas vizcachas (lebres) e guanacos (tipo lhamas) pela estrada, lindo demais!
Dormimos na Villa Serrano que é fora do parque. O nosso hotel era lindo, com uma vista encantadora, mas tudo era muito caro… Janta 20 dólares, Café da Manhã 7 dólares, lanche para trilha 20 dólares, respirar 20 dólares rsrs Mas em Torres del Paine, quem não acampa não tem muita opção, é pagar caro ou pagar caro :/ Quem faz o circuito W, tem alojamentos pelo caminho com refeições incluídas.

Dia 2: Torres del Paine
Acordamos cedo e fomos rumo ao Mirante do Lago Grey, o tempo estava feio e estava bem frio. A trilha é bem fácil, cerca de 20 minutos mas a vista não é impressionante, acho que no inverno deve ser mais interessante com o Glaciar Grey, no verão não deu para ver muita coisa.

Depois seguimos para o Hotel Las Torres, de onde sai a trilha para a base das Torres del Paine. São 18 km de trilha no total, e uma subida de 900m. Nesse sai estavam tendo rajadas de vento de até 200km/h segundo os guias do parque. Um guia me contou que quase foi levado pelo vento e que se isso ocorresse eu deveria me jogar no chão e aguardar a rajada passar. A trilha é bem perigosa, tem um trecho em barranco sem proteção nenhuma, voltando da trilha encontrei uma senhora que caiu muito machucada e uma outra menina que largou o mochilão no meio da trilha, com medo, ela me disse que preferia sua vida do que os bens que carregava… As minhas amigas desistiram e eu só continuei pois conhecemos um americano, o Kiran, que foi comigo e me passou confiança e segurança. A trilha não é tão bonita, as torres ficam tapadas pelas montanhas a maior parte do tempo, em compensação ao chegar no final, a vista é estupenda! Acho que não vale a pena para quem só quer ver a vista, vale para quem curte caminhar, para mim valeu muito!

Lá jantamos pelo Hotel Las Torres que é ótimo e fomos para casa dormir, eu fiquei muito quebrada!

Dia 3: Torres del Paine – El Chalten
Como já disse anteriormente, tivemos que abastecer o carro com a caríssima gasolina de 4 dólares o litro. Acordamos cedo, abastecemos e antes de sair do parque fomos conhecer a Laguna Azul, que é belíssima! Também passamos por uma cachoeira linda, Cascada rio Paine, com vista ao fundo para as Torres. Uma ótima despedida do parque…

Fomos até La Esperanza, encher o tanque e fazer um lanche. Seguimos pela Ruta 40 até a parada na famosa cafeteria La Leona. O Parador La Leona é parada obrigatória para quem viaja pela famosa na Ruta Nacional 40, que corta a Argentina de norte a sul. É um lugar histórico, especialmente em razão dos personagens que aqui estiveram – figuras como Butch Cassidy, Sundance Kid e Ethel Lugar, dentre outros não menos “famosos”, como os escaladores que conquistaram o Pico Fitz Roy em 1952, Lionnel Terray, Louis Depasse, Poincenot Jacques e Francisco Ibañez. Eu não achei nada demais, e os preços são bem salgados, mas é uma boa parada para descansar da longa estrada..

De lá seguimos para El Chalten, onde belas paisagens já se desenhavam, tiramos muitas fotos ao longo do caminho! É uma estrada longa (uns 550km) mas não chega a ser cansativa pois as paisagens são mesmo lindas.

Chegando à cidade, vale a pena parar no Centro de Visitantes que fica bem na entrada, os funcionários são super solícitos, dão ótimas informações, mapas e os banheiros são limpos.
A cidade fica dentro do Parque Nacional Los Glaciares, e possui apenas 600 habitantes. Nós nos apaixonamos por esse lugar, mas conto mais para vocês no próximo post. É importante lembrar que é importante chegar em El Chalten com pesos na mão e o tanque do carro cheio, já que trocar dinheiro e encontrar gasolina são dois problemas por aqui! Também falarei mais sobre isso no próximo post.
Dicas de Hospedagem
Hospedaje Lautaro ( El Calafate)
O melhor albergue da viagem. Os donos são super atenciosos e simpáticos. O quarto é simples mas com uma boa cama e um chuveiro top, o que mais podíamos querer? Preço: 52 reais por pessoa por dia (quarto triplo). Reservei através do Hostel Bookers.
TOMAS ESPORA 237      , El Calafate , 9405 , Argentina
Telephone: +54 29 0249 2698
Email: info@hospedajelautaro.com.ar
Check-in / Check-out: 10:30 / 11:00
Lago Tyndall ( Villa Serrano – Torres del Paine)               
É um bom hotel, preço é salgadinho pelo que oferece mas não tem muita opção nessa região. Pagamos 108 reais por pessoa (apartamento quadruplo que dividimos por três)

Dica de Restaurante
Hotel Las Torres
Esse restaurante do hotel é bem legal, e não tão caro (10 dólares o prato). As meninas comeram um cordeiro patagônico que foi eleito o melhor da viagem! Eu comi uma carne recheada de caranguejo mas não curti muito a combinação rs

Aluguel do carro
Nunatak Rent a Car – telefone: (02902) 491987 ou cel: (02966) 15341323
Rua Gobernador Gregores, 1075
Aluguel de carro com 200km livres por dia: 800 pesos/dia
Km extra: 1,5 peso
Cruzar a fronteira Chilena: 600 pesos

Gasolina: 9 pesos por litro


Mais Dicas:
Melhor opção de mercado em El Calafate : “La Anonima”
Distâncias de El Calafate:
Até o aeroporto: 23km
Até o Perito Moreno: 80km
Até El Chaltén: 220km
Até Vila Serranol: 360 km
Aguardem os próximos posts!
Fotos no meu instagram (@roda_mundo) ou na página do face: Roda Mundo.

Besos,

Bia

Post El Chalten: Clique aqui!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s